Depressão na adolescência: como identificar e buscar ajuda?

A chegada da puberdade ainda provoca muitas dúvidas. É nessa fase que acontecem as principais mudanças no corpo e na mente de uma pessoa. Tantas novidades ao mesmo tempo podem causar insegurança ou instabilidade emocional. Assim, casos de depressão na adolescência não são raros.

Questões físicas, hormonais e até sociais podem ser gatilhos para a mudança de humor, a sensação de tristeza e a perda da motivação. Saber discernir quais são as causas desses sintomas é muito importante para lidar com questões mal resolvidas e combater de forma adequada os sinais da depressão na adolescência.

A seguir, vamos esclarecer mais conceitos sobre esse quadro clínico. Também vamos falar sobre formas de lidar com o paciente e buscar ajuda.

Identificando a depressão na adolescência

Nem todos os sinais de tristeza ou falta de interesse podem ser considerados indícios de depressão. Na adolescência, as mudanças biológicas são bastante significativas e podem provocar oscilações no comportamento.

No entanto, é necessário ficar atento aos seguintes sintomas:

  • emocionais: ansiedade, irritabilidade, tristeza, mudanças bruscas de humor;
  • físicos: dores, mudança de peso, cansaço ou indisposição para atividades cotidianas;
  • sociais: falta de atenção, mau desempenho nos estudos, dificuldade na interação com outras pessoas.

Independentemente do diagnóstico, o mais importante é estabelecer uma relação de confiança e manter o diálogo constante com o adolescente. Dessa maneira, é mais fácil saber quais são as suas dores e, assim, encontrar as formas mais eficazes de combatê-las.

Também é fundamental que o adolescente não se sinta pressionado ou vigiado. Essas sensações podem ser danosas para o seu desenvolvimento, capazes até de provocar o agravamento dos sintomas de uma possível depressão.

Procurando ajuda profissional

É importante fazer um diagnóstico correto e preciso sobre o quadro clínico do adolescente para realizar o tratamento adequado. Para isso, é necessário buscar a ajuda de profissionais qualificados, que já tenham lidado com casos semelhantes, de preferência.

Existem hospitais e clínicas especializadas em transtornos mentais. Além disso, grupos de apoio também podem ser de grande ajuda para estimular o paciente a compartilhar experiências e prosseguir em seu tratamento.

As causas dos transtornos mentais são subjetivas e podem gerar sintomas contraditórios. Além disso, se os verdadeiros motivos do problema não forem combatidos, o tratamento fará pouco ou nenhum efeito.

Dessa forma, ao mesmo tempo em que se busca ajuda médica para um caso de depressão na adolescência, também é necessário diligência para combater as causas externas do problema.

A relação entre os familiares, o círculo social que o adolescente frequenta e as pressões ou cobranças com que ele precisa lidar são alguns exemplos de questões que podem ser revistas no combate à depressão.

O mais importante é que o adolescente tenha consciência de sua situação e saiba que é necessário se esforçar para superá-la. Paciência e diálogo são fundamentais para esclarecer que ela não é motivo de vergonha e que precisa ser tratada corretamente para que ele tenha uma vida melhor.

Quer se aprofundar mais nesse tema? Nossa equipe de especialistas preparou um guia com tudo sobre o que você precisa saber sobre a depressão na adolescência e em outras fases da vida. Deixe aqui seu comentário caso tenha mais dúvidas ou queira compartilhar sua experiência.

Assista ao vídeo que a Neuropsicóloga e Diretora Clínica da Unidade Integrativa Santa Mônica, Adriana Fóz, preparou sobre a Mente do Adolescente clicando aqui!

Leave a reply